“Tecnologia e redes sociais não são ameaças para parques e atrações, mas mudam a forma como atuamos”, diz especialista